separador

Para lá da curva do relógio de sol,
da sombra do ponteiro espetada no meu peito
guardo, enterrada numa numa nuvem de chumbo,
uma fragância de terra macia
e a luz do dia em que partiu a deusa:
a memória de uma película impressionada
pela sombra do relógio
contra a luz do sol
a impressão do adeus do adeus:

                                                  um cofre de coisa inúteis
retiradas do peito da deusa
ameaçada de tornar-se humana.

dedo noa ar, II, separador, 04.04

fecho

Ou podeis mergulhar nestas águas. Então de nada vos recordareis, nem sequer desta conversa ou desta escolha; e todas as vossas vitórias insignificantes, vossos amores e ódios, todas as acções que levasteis a cabo, serão lavadas da vossa memória e ficarão nestas águas escuras e agitadas como pequenos peixes velozes para aqueles que aqui vierem de pois de vós para as contemplar; e isto é a Fama.

Mas uma vez que estas águas se tenham fechado sobre vós, a vossa memória será tão lisa como uma superfície após a chuva e de nada vos recordareis.

Que serei então?

Nada.

Nem sequer uma sombra?

Nem sequer uma sombra.

dedo no ar, 2ª série, 1, 2 de Maio de ?