1990: a funda

Pegou na funda e colocou a pedra com excessivo cuidado. Pensativo, ficou com a funda armada na mão durante largos momentos. O professor explicava-lhe que não podia ficar mais tempo, que tinha de ir embora para outra terra, que ia tentar a cidade. O miúdo não dizia nada. Crispado, esticava as borrachas da funda. Ao máximo.

O professor calou-se. Então o miúdo fez pontaria para cima, como se quisesse agredir o céu. E atirou.

O professor seguiu a pedra. Pareceu-lhe ver a pedra chocar contra a nuvem e pareceu-lhe que a nuvem se partira. Encharcado pela chuvada repentina, o professor puxou o miúdo para o alpendre. Este parecia aliviado.

Pela cara corriam grossas lágrimas ao lado da água da chuva.