aposentos: reforma e reformatório

citações,notas de estudo, diatribes

Month: Outubro, 2014

o que é a memória

A memória é um glorioso e admirável dom da natureza, através do qual reevocamos as coisas passadas, abraçamos as presentes e contemplamos as futuras, graças à sua semelhança com as passadas

 

Boncompagno da Signa, Rethorica Novissima, Bolonha:1235

de cátedra

Ninguém como Morris Kline fez oscilar os catedráticos de matemáticas universitárias. Com a sua obra de título explícito Porque é que o catedrático não pode ensinar (Why the Profesor can’t teach), abalou em 1977 o panorama internacional.

  1. As universidades escolhem os seus catedráticos da mesma forma que alguns homens escolhem as suas esposas: querem as que os admiram mais.
  2. Os catedráticos ficam contentes por oferecer cursos que reflictam os seus próprios interesses, à margem das necessidades e dos interesses dos estudantes… numa matéria em que a única coisa geralmente extraordinária é que não é compreensível.

O “publica ou perecerá” em matemática pode levantar este tipo de problemas. Kline, com o seu puxão de orelhas ao desprezo de muitos catedráticos pelo seu trabalho docente, ao lhe preferirem o trabalho de investigação, contribuiu para um debate necessário. Em todas as décadas deveria haver um Kline.

Claudi Alsina. O Clube da Hipotenusa. Planeta Mauscritos. Lisboa: 2009

a matemática pode ser uma arma :-)

Um dos segredos mais bem guardados da cultura actual é o carácter profundamente divertido das matemáticas. Para conseguir que esse segredo não seja divulgado têm-se articulado todas as estratégias escolares e sociais. Através de gatafunhos ininteligíveis nas ardósias, explicações exóticas, abundantes mistérios e livros fastidiosos, conseguiu-e que a população em geral, longe de descobrir segredo, acredite que é completamente ao contrário. A ponto de bastar a presença da palavra “matemática” para provcar imediatamente reacções contundentes: zappings televisivos, queima de manuais, bocejosguturais, etc. De facto, esta faceta poderia ser aproveitada , inclusivamente, pelas forças da ordem, para dispersar manifestações de massas, pois, se em vez de objectos contundentes aparecessem fórmulas matemáticas nos escudos das forças da ordem, a maioria dos manifestantes empreenderia fugas velozes para lugares mais tranquilos e seguros

Claudi Alsina, O Clube da Hipotenusa(pró(lo)go). Planeta Manuscrito.Lisboa: 2009